DIY
22 jan 2019

Boas ideias para usar arame na decoração

Já pensou em buscar matérias primas para suas criações diretamente em lojas de materiais para construção? O insumo que precisa para seu próximo artesanato pode estar na oficina e não no armarinho… Que tal inovar no próximo projeto e colocar em prática uma tendência do momento: arame na decoração?

Para tirar suas ideias do papel e do Pinterest, basta ir atrás de arame galvanizado, ter entre seus instrumentos um bom alicate para corte e manuseio e partir para buscas de inspirações! Ficam nesse post alguns projetos da moda e super criativos para decorar do home office à sala de estar! Vamos às boas ideias?

Palavras e nomes em arame

Para presentear uma pessoa especial ou colocar uma palavra com significado e mensagem especial sempre à vista: crie as letras com arame e alicate. Ouse nas letras cursivas ou crie iniciais com letras de forma. Vale tanto para colocar na parede como com base d madeira. Para o quarto do baby, use como porta de maternidade! Que tal? Cool e leve!

Iluminação criativa

Bases de arame são excelentes suportes para luzinhas tipo piscas. Faça o formato escolhido e depois contorne com o fio de luz. Estrelas, diamantes, letras, corações algumas boas sugestões de formatos. Crie de acordo com seu estilo de décor!

Tricotin para decoração

Tecer tricotin virou febre e viralizou na decoração! A proposta funciona bem tanto com formatos criativos como cactus e flamingos, tanto para nomes de porta de maternidade, mensagens carinhosas ou decoração de casamento. O arame é a base do artesanato e o cordão em lã encapa. Prático de fazer e causa um lindo efeito! Vamos colocar a mão na massa?

O que acharam de algumas ideias para colocar um insumo de loja de construção no seu ateliê e fazê-lo virar arte? Boa criação!

Para leitoras, compras acima de R$300 tem 10% de desconto com o código cola-cor-linha10 na loja online de materiais de construção como arames e muitos outros.

Dicas
03 set 2018

Arte de carnaúba em destaque na A Casa, Museu do Objeto Brasileiro

Exposição inédita mostra o trabalho com palha de carnaúba de artesãs que convivem com a seca

Mostra “A Casa AMA Carnaúba” é uma parceria entre a água AMA e A CASA museu do objeto brasileiro; Projeto começou com o acesso à água em comunidades do semiárido e busca o desenvolvimento da região

Arte de carnaúba em destaque na A Casa, Museu do Objeto Brasileiro

O talento de artesãs que trançam com maestria a palha de carnaúba, árvore nativa do semiárido, será apresentado na exposição A Casa AMA Carnaúba, a partir de 5 de setembro, em São Paulo. Bolsas, mesas, luminárias, pufes, cestos, tapetes e outros objetos exclusivos são feitos manualmente pelas moradoras do Vale do Jaguaribe, a cerca de 180 quilômetros de Fortaleza, Ceará. A exposição é uma parceria da A CASA museu do objeto brasileiro com AMA, água mineral que investe todo seu lucro para levar água às famílias do semiárido e ajudar no desenvolvimento da região.

Capacitação de artesãs

No início de 2018, AMA e A CASA começaram um trabalho de capacitação e inovação do artesanato feito com palha de carnaúba com cerca de 90 artesãs em Sítio Volta, Sítio Caiçara e Santa Luzia, além das cidades vizinhas Itaiçaba e Palhano. Sítio Volta e Sítio Caiçara, no município de Jaguaruana foram as primeiras comunidades atendidas por AMA. Por lá, a marca de água construiu poços profundos e sistemas de distribuição de água gerados por energia solar. No trabalho de capacitação, as artesãs aprenderam sobre processo de criação e precificação das peças e participaram de oficinas de trançado, tingimento e costura.

A parceria com A CASA ajudou a aprimorar o artesanato típico do semiárido e garantir um valor agregado maior para as peças vendidas. Há mais de 20 anos o museu paulista promove o artesanato brasileiro com exposições e ações em diferentes comunidades, compartilha conhecimento e, principalmente, valoriza a diversidade de técnicas tradicionais encontradas em cada região do país. O museu convida designers de artesanato que trazem a produção artesanal tradicional para o contemporâneo, mas sem que haja alterações nas técnicas já dominadas pelo artesão.

Novas criações, mesmo talento

O designer de artesanato Renato Imbroisi, que trabalha há 30 anos com comunidades, cooperativas e associações, assina a curadoria do projeto. A coordenação é de Eliane Guglieme e a supervisão de Renata Mellão, diretora geral d’A CASA. “O que mais me surpreendeu nesse projeto foi o envolvimento da comunidade e o potencial de transformação local que pudemos proporcionar a eles”, revela Renata. Desde o início do ano, o trio uniu-se às designers Liana Bloisi, Cristiana Pereira Barreto, Lui Lo Pumo e Tina Moura, e ao mestre-artesão João de Fibra. Nos últimos meses, o grupo trabalhou com as artesãs para que as peças fossem produzidas com novas cores, diferentes tipos de trançado, grafismos e maior variedade de produtos.

“Em alguns desses locais, as artesãs restringiam sua produção a chapéus e vassouras. A partir desse trabalho, em pouquíssimo tempo, elas se aperfeiçoaram e expandiram sua produção, multiplicando sua cartela de produtos e, consequentemente, seus retornos”, completa o curador Renato Imbroisi.

Com o trabalho nas cinco comunidades, o projeto proporcionou a troca de saberes e experiências entre os pequenos povoados. Cada uma delas ficou responsável por coleções específicas. Enquanto algumas produziram peças com a fibra natural para a fabricação de bolsas, mesas e bancos, outras especializaram-se na criação de cestos, de diferentes tamanhos e modelos. Já as artesãs de Itaiçaba e Palhano criaram produtos feitos com palha de carnaúba tingida: são luminárias, pufes, cestos, tapetes e esteiras de cores vivas. Todas as peças estarão à venda na exposição.

Todo o projeto, desde a capacitação das artesãs até os objetos da mostra, está registrado no livro A CASA AMA Carnaúba, que também estará disponível no museu.

A Carnaúba
A carnaúba é símbolo de resistência e longevidade. A árvore é nativa do bioma caatinga e consegue se adaptar ao clima semiárido da região por suas raízes profundas. Dela se aproveita tudo: folhas, tronco e raiz. Sua madeira é utilizada na construção de casas e algumas peças de marcenaria; suas raízes, segundo a cultura popular, tem propriedades medicinais.

Das folhas, além da palha que é utilizada para o artesanato, extrai-se a cera de carnaúba, matéria-prima utilizada na composição de produtos para polimento, lubrificantes, vernizes, tinturas e cosméticos. Esse tesouro nordestino é, ademais, sustentável: todos os possíveis processos de utilização de seus recursos não são agressivos ao meio ambiente e as árvores preservam o solo contra a erosão.

Sobre o museu 
Há mais de 20 anos, A CASA museu do objeto brasileiro realiza projetos junto a comunidades e associações de artesãos de várias regiões do País. A instituição, que não possui fins lucrativos, tem como missão o reconhecimento, a valorização e o desenvolvimento da produção artesanal e do design brasileiro. Com o objetivo de preservar a memória cultural desses ofícios e preservar técnicas únicas, o museu busca transmitir e multiplicar as tradições de cada região e, consequentemente, gerar rendas às comunidades.

Vamos começar a valorizar mais nossos museus e visitar com mais frequência? Fica a sugestão para ir já essa semana!

Serviço
A CASA AMA Carnaúba
Abertura: 5 de setembro de 2018, às 19h
Visitação: de 6 de setembro a 4 de novembro de 2018
Endereço: Avenida Pedroso de Morais, 1216 – Pinheiros, São Paulo, SP
Horário: de terça a domingo, das 10h às 18h30

DIY
12 jun 2018

Primeiro mini tear de parede: passo a passo

Na última semana, em pernadas por São Paulo, fui visitar a loja Zôdio Brasil para buscar novos desafios manuais. Estou numa fase de querer experimentar novos projetos e hobbies e uma loja gigante de materiais seria perfeita para me fazer descobrir novidades. Uma das coisas que trouxe ora casa foi um kit de mini tear. Sou super apaixonada por mini tear de parede, aqueles tipo flâmulas em que a tecelagem recebe diferentes detalhes, como fios de algodão natural, plantas, desenhos. Esse seria meu primeiro desafio!

Cheguei em casa super animada com a novidade e tratei de iniciar a primeira experiência e registrar para esse post! Vamos ver como ficou e as etapas de criação?

No kit para tecer vem tudo que usei já vinham as lãs, o fio para estrutura do tear, o pente, tear, navete e agulha. Para esse projeto, só acrescentei um hashi de comida japonesa e a folha artificial que também comprei na mesma loja na área de terrários e arranjos.

Passo a passo do mini tear dessa tecelã super amadora:


1. Passar barbante ou linha branca para estrutura da trama.

2. Com o pente de madeira com a cor escolhida, passar linha a linha intercalando pra baixo e pra cima.

3. Dar um nó ao fim da linha para troca de cor!

4. Para criar a forma triangular ao fim, finalizar a linha cada vez um fio branco a menos, criando a diagonal.

5. Retirar do suporte, amarrar as pontas, como não deixei fios sobrando, diz as franjas à parte.

6. Passar o pauzinho, colocar a folha e linha para pendurar!??‍♀️ Fim!